Home > Notícias > Acontece > Brasil alcança 10 GW de capacidade eólica com R$ 60 bi investidos

Brasil alcança 10 GW de capacidade eólica com R$ 60 bi investidos

21/09/2016

A energia eólica foi a fonte que mais cresceu na matriz elétrica brasileira

O Brasil alcança a emblemática marca de 10 GW de capacidade eólica instalada, distribuída em 400 parques e mais de 5.200 aerogeradores. Para se ter ideia, a usina de Belo Monte tem capacidade de pouco mais de 11 GW. No ano passado, a energia eólica abasteceu mensalmente uma população equivalente a todo o sul do País e gerou 41 mil postos de trabalho. Nos últimos seis anos, o investimento feito pelas empresas da cadeia produtiva de energia eólica, já 80% nacionalizada, foi de R$ 48 bilhões.

Se contarmos de 1998 até hoje, somamos cerca de R$ 60 bilhões investidos e 150 mil postos de trabalho acumulados desde o primeiro parque eólico. Em 2015, a energia eólica foi a fonte que mais cresceu na matriz elétrica brasileira, responsável pela participação de 39,3% na expansão, seguida pela energia hidrelétrica (35,1%) e energia termelétrica (25,6%). Os números são da Associação Brasileira de Energia Eólica – ABEEólica.

São apenas alguns dados que mostram a vitalidade de um setor que tem se mostrado cada vez mais importante para o Brasil, seja para ampliar a participação das energias renováveis na matriz elétrica brasileira ou ainda para contribuir com a retomada de crescimento brasileiro. Em termos mundiais, o Brasil tem se destacado. De acordo com o GWEC – Global World Energy Council, o Brasil foi o quarto país em crescimento de energia eólica no mundo em 2015, considerando-se os números de capacidade instalada, atrás da China, Estados Unidos e Alemanha. E representou 4,3% do total de nova capacidade instalada no ano passado no mundo todo. Em percentual, foi o País que mais cresceu no mundo. De acordo com o “Boletim de Energia Eólica Brasil e Mundo – Base 2015”, divulgado pelo Ministério de Minas e Energia em agosto de 2016, o Brasil subiu sete posições, nos últimos dois anos, ocupando hoje o oitavo lugar em geração, representando cerca de 3% de toda produção eólica mundial. (fonte: Abeeólica)