Home > Notícias > Acontece > Empresas brasileiras são pouco inovadoras

Empresas brasileiras são pouco inovadoras

06/08/2019

Apenas 6% dos empresários consideram inovadora a atividade industrial brasileira

Empresas brasileiras são pouco inovadoras

O alto custo da inovação e a falta de financiamento são os principais motivos pelos quais 49% dos empresários consideram o grau de inovação da indústria brasileira baixo ou muito baixo, de acordo com pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Apenas 6% dos entrevistados consideram inovadora a atividade industrial brasileira. Na pesquisa, foram ouvidos CEOs, presidentes e vice-presidentes de 100 indústrias, das quais 40 são de grande porte e as demais pequenas e médias.

No ranking dos fatores que mais dificultam a inovação no país, estão, além do alto custo da inovação e a da falta de financiamento (28%), também a burocracia e a regulamentação excessiva (27%) e o baixo nível de educação e qualificação da mão de obra (18%). Apesar de verem o Brasil como pouco inovador no cenário atual, empreendedores industriais têm expectativas positivas, ainda segundo o levantamento: um em cada três empresários acredita que a indústria precisa de um salto nos próximos cinco anos.

Em 2016, a Organization For Economic Cooperation And Development (OECD) em seu relatório "Science, Technology and Innovation Outlook 2016" citou oito megatendências, duas das quais diretamente relacionadas ao uso de tecnologias digitais, são elas: 1) Economia, Emprego e Produtividade, que continuarão sendo afetados pelo uso de tecnologias digitais. 2) Globalização, que já é um caminho sem volta e que continuará favorecendo amplamente a difusão de conhecimento, tecnologias e novas práticas de negócios, aumentando a competitividade e a competição. Informações como essas nos ajudam a entender os próximos passos.

Os empresários brasileiros já reconhecem que o caminho da inovação e tecnologia é o que pode trazer grande impulso para o desenvolvimento industrial e o aumento da lucratividade. Ainda de acordo com a pesquisa da CNI, para 44% dos executivos, as atividades de inovação respondem por mais de 20% do faturamento de suas empresas. (fonte: CNI/Abimaq)