Ir à entrada do site Envie um e-mail Siga-nos no Facebook Assista à Gühring TV
 
 
NEWSLETTER
                                Curta a
  TV Gühring            nossa página YouTube Facebook
Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Compartilhar em outras redes
ISO 9001 - GÜHRING ISO 9001
Home  /  Novidades  /  Gühring  /  ESTUDO REVELA OPORTUNIDADES E DESAFIOS...  

ESTUDO REVELA OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INOVAÇÃO NO BRASIL


O desafio hoje é criar mecanismos para se inovar mais e melhor

inovação

Enquanto o mundo caminha para a consolidação de um novo modelo industrial, o Brasil se mostra otimista com relação à transformação digital que vem ocorrendo. É o que mostra o capítulo Brasil do Barômetro Global da Inovação, estudo realizado anualmente pela GE com um público executivo e formador de opinião de 4 mil pessoas em 23 países.  O estudo aponta as percepções sobre tendências e perspectivas de inovação no mundo. Ao ouvir 200 executivos e mais de 100 brasileiros interessados no tema, a companhia identificou que o país vê como positiva a antecipação da quarta Revolução Industrial.

Os dados indicam que os mercados emergentes se sentem mais confiantes e empoderados nesse ciclo de mudanças em relação a economias maduras. No Brasil, os percentuais são de 76% e 74% para estes dois pontos, respectivamente. Os empresários brasileiros já estão, inclusive, adotando novas tecnologias que auxiliem no desenvolvimento de seus modelos de negócios, percebendo a necessidade de conectar máquinas e pessoas, o que a GE chama de internet industrial. Entre os entrevistados, por exemplo, 64% informaram usar Big Data para tomada de decisões. Ainda que o percentual seja inferior ao registrado em 2014 (77%), está acima da média global, de 61%.

A pesquisa permite identificar uma relação direta entre as tendências de inovação e o atual momento do setor produtivo no Brasil e no mundo. A produtividade industrial crescia em média 4% anualmente no período 1990-2010. A partir de então, a taxa tem sido apenas 1%. A razão por trás disso é que a conectividade não adiciona mais valor isoladamente. O incremento só será possível com a capacidade de coleta e interpretação dos dados gerados pelas máquinas.  Com os líderes cientes desta necessidade, é possível esperar a retomada do crescimento da produtividade, segundo a GE.

O estudo aponta ainda que o lucro gerado pela inovação colaborativa vem crescendo no país recentemente. Em 2015, 80% dos gestores nacionais registraram resultados concretos em processos colaborativos – enquanto em 2014 esse percentual não passava dos 64%. Outro índice relevante é que tanto os executivos (91%), quanto os cidadãos (85%) ouvidos pelo Barômetro acreditam que os processos de manufatura avançada serão responsáveis por transformar radicalmente o setor industrial. Ou seja, apesar da inovação ser um processo de longo prazo, já é possível identificar mudanças no cenário brasileiro que visem ao aumento da produtividade e à retomada do crescimento econômico.

Além das oportunidades reveladas, a pesquisa aponta também os desafios em inovação no país. Ainda que a confiança gerada pela chegada de novas tecnologias cresça a cada dia, os empresários brasileiros, por exemplo, continuam a ser desafiados a inovar de forma eficiente e disruptiva – 90% dos entrevistados temem se tornarem obsoletos, na medida em que as tecnologias avancem mais rápido do que eles podem se adaptar. No mundo, esse percentual corresponde a 81%.

Assim como no restante do mundo, os executivos do Brasil acreditam que o profissional do futuro deve ter a capacidade de solucionar problemas (66%) e ser criativo (55%). Porém, os entrevistados no País apontam o comprometimento de longo prazo (48%) e o empreendedorismo (44%) como práticas essenciais para a força de trabalho.

Neste ciclo de mudanças, o perfil das oportunidades de trabalho deixará de ser operacional e passará a ser mais estratégico e criativo, exigindo profissionais com alta qualificação. O Barômetro indica, no entanto, que nem os empresários (39%), nem a população (23%) acreditam que o sistema educacional do País esteja pronto para enfrentar as futuras competências do mercado de trabalho. Enquanto isso, os cidadãos de Índia (81%), China (78%) e Indonésia (76%) consideram que seus países estão preparados. Ainda assim, apenas 25% dos gestores acreditam que a revolução digital levará o País a níveis mais altos de desemprego. (fonte: GE)

 
 
Gühring Brasil ·  Av. Tranquillo Giannini, 1051  ·  Distrito Industrial  ·  13329-600 Salto, SP  ·  T 11 2842-3066 · F 11 2842-3091