Ir à entrada do site Envie um e-mail Siga-nos no Facebook Assista à Gühring TV
 
 
NEWSLETTER
                                Curta a
  TV Gühring            nossa página YouTube Facebook
Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Compartilhar em outras redes
ISO 9001 - GÜHRING ISO 9001
Home  /  Novidades  /  Gühring  /  ENERGIA QUE SOPRA FORTE  

ENERGIA QUE SOPRA FORTE


O sistema eólico pode funcionar de maneira complementar ao hidrelétrico

energia eólica

O Brasil conta hoje com 181 parques eólicos instalados (geração de energia a partir dos ventos). O que significa 4,5 gigawatts (GW) de potência instalada. Os números são da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica). Outros 144 estão em construção e mais 173 projetos já foram outorgados. A energia eólica tem um futuro promissor no país e se tornou parte fundamental na composição da matriz elétrica brasileira. Somado ao que já está instalado atualmente, o Brasil deve encerrar o ano com cerca de 7 GW de capacidade instalada.

Segundo especialistas do setor, o ideal, para manter um sistema eólico capaz de funcionar de maneira complementar ao hidrelétrico, seria uma capacidade instalada de 20 GW. E,para manter um sistema eólico capaz de funcionar de maneira complementar ao hidrelétrico, seria uma capacidade instalada de 20 GW. A necessidade de se investir nas eólicas é reflexo da mudança no modelo das novas usinas hidrelétricas, a maioria baseada em sistemas a fio d’água, sem reservatórios. Essas usinas armazenam pouca água e ficam impossibilitadas de manter a carga nas épocas de estiagem ou de aumentar a geração quando exigido pela demanda.

O desenvolvimento desse setor eólico significa um incremento em toda a cadeia produtiva do país, uma vez que se estimaque o Brasil possua em 2018 cerca de 400 parques eólicos, o que vai demandar mais de 5 mil novos aerogeradores. Para a gerente de credenciamento de Máquinas e Equipamentos do BNDES, Adriane Helena, a meta é nacionalizar a produção de peças e aerogeradores gradativamente até 2016. “O objetivo é aumentar progressivamente o conteúdo local dos aerogeradores financiados pelo BNDEs, incentivar a antecipação da nacionalização dos componentes e aproximar o investidor desse processo”, ressalta a gerente. Os recursos liberados pelo banco federal para projetos do setor eólico subiram de R$ 2,2 bilhões, em 2011,  para R$ 4,3 bilhões, no ano passado. Esse valor superou em 27% os desembolsos do BNDEs para a geração eólica em 2012. (FONTES: Agencia Brasil e Abeeólica)

 
 
Gühring Brasil ·  Av. Tranquillo Giannini, 1051  ·  Distrito Industrial  ·  13329-600 Salto, SP  ·  T 11 2842-3066 · F 11 2842-3091